Medicina da Dor

A Medicina da Dor é uma especialidade cujo foco, tal como o nome indica, é o diagnóstico e tratamento da dor aguda e da dor crónica.

A dor aguda tem um papel fundamental na nossa vida, indicando geralmente que algo não está bem no nosso organismo. Com repercussões na saúde física e mental, o seu controlo é essencial para o bem-estar geral do paciente e representa um dos maiores desafios da medicina convencional. Por sua vez, a dor crónica é já considerada uma doença per se.

Responsável por grande parte dos casos de absentismo laboral, morbilidade e incapacidade temporária ou permanente, a dor crónica tem grande impacto na qualidade de vida do doente e da sua família.

Dispondo de um variado leque de técnicas especializadas, o tratamento efetuado pelo médico especializado em Dor pode incluir, por exemplo, bloqueios de nervos, destruição de nervos sensitivos para desnervação de articulações com artrose avançada, procedimentos por radiofrequência, terapêuticas intra-articulares e cápsulo-ligamentares, abordagens interventivas do sistema muscular e fascial, entre outras, que permitem implementar programas de mobilização ativa imediata, não só no tratamento do doente idoso com patologia degenerativa, como também do atleta de alta competição com patologia do foro traumatológico ou de sobrecarga.

Pode ser indicada em casos de lombalgia com ou sem discopatia (hérnias discais) e outras manifestações dolorosas da coluna vertebral, artroses, dor resultante de sinistralidade ou doenças, dor articular, fibromialgia, nevralgias, síndrome doloroso regional complexo e outras formas de dor neuropática

MARCAÇÃO DE CONSULTA

Equipa especializada em Intervenções Minimamente Invasivas

Focando a sua atenção na qualidade da avaliação clínica, a equipa da FISIOGlobal trabalha diariamente para proporcionar a cada utente a resposta mais adequada à sua condição, com a máxima qualidade e eficácia.

Esta forma de estar só é possível graças à combinação de uma equipa de trabalho interdisciplinar e altamente qualificada, com as mais recentes e distintas técnicas de intervenção na área da reabilitação, exercício clínico e bem-estar.

#

José Luís Carvalho

Medico especialista em Medicina Física e de Reabilitação, com especialização em Medicina…

Ler mais… ›

#

Daniela Costa Martins

Médica especialista em Medicina Física e de Reabilitação (Internato de Formação Específica…

Ler mais… ›

Perguntas Frequentes de Medicina da Dor

A Medicina da Dor é uma especialidade cujo foco, tal como o nome indica, é o diagnóstico e tratamento da dor aguda e da dor crónica. Com repercussões na saúde física e mental, o seu controlo é essencial para o bem-estar geral do paciente e representa um dos maiores desafios da medicina convencional.

A Medicina da Dor atua em casos de lombalgia com ou sem discopatia (hérnias discais) e outras manifestações dolorosas da coluna vertebral, artroses, dor resultante de sinistralidade ou doenças, dor articular, fibromialgia, nevralgias, síndrome doloroso regional complexo e outras formas de dor neuropática.

A dor aguda tem um papel fundamental na nossa vida, indicando geralmente que algo não está bem no nosso organismo. Com repercussões na saúde física e mental, o seu controlo é essencial para o bem-estar geral do paciente e representa um dos maiores desafios da medicina convencional. Por sua vez, a dor crónica é já considerada uma doença per se.

Responsável por grande parte dos casos de absentismo laboral, morbilidade e incapacidade temporária ou permanente, a dor crónica tem grande impacto na qualidade de vida do doente e da sua família.

O tratamento efetuado pelo médico especializado em Dor pode incluir, por exemplo, bloqueios de nervos, destruição de nervos sensitivos para desnervação de articulações com artrose avançada, procedimentos por radiofrequência, terapêuticas intra-articulares e cápsulo-ligamentares, abordagens interventivas do sistema muscular e fascial, entre outras, que permitem implementar programas de mobilização ativa imediata, não só no tratamento do doente idoso com patologia degenerativa, como também do atleta de alta competição com patologia do foro traumatológico ou de sobrecarga.